Notícias

Operação tapa buracos: tecnologias eficientes para correções de pavimentos
Operação tapa buracos: tecnologias eficientes para correções de pavimentos
compartilhar

Grande parte da malha viária nacional é dimensionada para receber apenas tráfego leve. Muitas estão com a vida útil do pavimento esgotada, seja pela antiguidade da sua execução ou pela movimentação cada dia mais intensa. Essa situação se estende no cenário mundial.

Com o asfalto deteriorado e remendos mal executados, os buracos de rua são considerados uma praga na infraestrutura viária. São milhares de reclamações todos os dias, motoristas forçados a desviar de vários buracos, que resultam em pneus cortados, amortecedores estourados, rodas quebradas, para não falar de acidentes trágicos.

Para atender a demanda de manutenção corretiva, antes da fase de execução das atividades, é preciso entender os procedimentos corretos seguindo as necessidades reais de cada projeto e levando em consideração o parecer técnico de especialistas do setor.

A escolha do modelo adequado de recuperação asfáltica irá demonstrar se o custo será alto ou baixo. Se a identificação das falhas de pavimento for observada na fase inicial, o tratamento terá um custo operacional reduzido. Se a fase de recuperação for ultrapassada e o pavimento estiver deteriorada significativamente, será necessária uma intervenção maior, o que acarretará em custos mais elevados. Existe ainda a possibilidade de a base estrutural do pavimento estar comprometida e, nesse caso, a recuperação será feita por meio de reciclagem de pavimento e base, com aplicação de uma nova camada asfáltica.

Dentre as metodologias de correção asfáltica existentes, talvez a mais conhecida ou a que tenha caído na fácil identificação do senso comum, seja a operação tapa buracos. O procedimento consiste no corte da área a ser recuperada, remoção do material residual, limpeza do local e preenchimento com o asfalto seguido de uma compactação.

Como o processo de tapa buracos é mais simples, essa operação tem a preferência da maioria das prefeituras e obras em rodovias concessionadas, já que o custo é menor. Mas para isso, torna-se necessário uma análise cuidadosa do trabalho a ser executado considerando o nível de qualidade, a importância da via para a economia da região e o próprio custo-benefício do método, comparado a realização de um trabalho completo de recuperação. A negligência pode resultar em tapagens de buraco paliativas e ineficientes, que não resistem por muito tempo.

Para a execução dos reparos locais no pavimento existente, o aspecto tecnológico dos equipamentos e suas funcionalidades somam às preponderações que devem ser avaliadas. Os métodos convencionais de pavimentação são voltados para recape total e construção de obras viárias, além disso, a maioria dos grandes equipamentos não fazem serviços pequenos, como os de tapar buracos. Empresas que enxergaram nessa demanda, uma oportunidade de diferenciação no mercado, estão ofertando equipamentos multitarefas que atendem as mais diversas necessidades de rapidez, eficiência e economia, seja na aquisição destes equipamentos que se viabilizam pela gama de acessórios, ou pela redução de custos decorrentes da otimização de recursos materiais e de mão-de-obra.

Por fim, é importante destacar também que durante a execução dos serviços de tapa buraco, devem ser preservadas as condições ambientais exigindo-se que todo o material resultante da operação de corte e sobras de massa asfáltica de preenchimento devem ser removidas das proximidades do local de reparo, transportadas e depositadas em locais previamente indicados em projeto ou selecionados por órgão regulador competente. A seleção do local e tipo de depósito para o material removido deve, preferencialmente, atender à sua condição de reutilização.

Equipamentos Romanelli

A Romanelli possui produtos que cobrem todo o ciclo de pavimentação, com tecnologias para produção e aplicação de misturas asfálticas, distribuição de agregados, passando por estabilização de solo, fresadoras, vibroacabadoras, até a compactação final do pavimento asfáltico. Além disso, possui uma linha completa de equipamentos para correção de pavimentos, com diversos modelos e recursos. Conheça os Kits Tapa Buracos TBR 800 SUPER e TBR 500.

Alta produtividade no processo de compactação de asfalto

Alta produtividade no processo de compactação de asfalto

08/10/2019 Uma pavimentação asfáltica de qualidade envolve alguns cuidados específicos com diversos fatores, dentre eles, na etapa de compactação, que quando negligenciada pode comprometer todas as etapas anteriores mesmo que bem executadas. O processo de compactação em uma obra de pavimentação contribui no aumento de estabilidade da mistura asfáltica e redução do índice de espaços com ar no interior da camada de revestimento, os chamados “vazios”, o que proporciona uma superfície mais firme, uniforme e com maior vida útil. Os cuidados começam logo nos critérios de escolha dos equipamentos necessários, sendo importante levar em consideração fatores como o tipo de obra, tamanho do projeto e capacidade de execução. A função dos rolos compactadores é alcançar os níveis de densidade determinados no projeto, o que pode ser realizado tanto com os equipamentos no modelo “tandem”, com rolos metálicos em ambos os eixos compactando pela combinação de peso e vibração, quanto com os “pneumáticos”, obtida pelo próprio peso do equipamento e pela pressão dos pneus. Ainda existe a opção do rolo combinado, por sua vez, possui um cilindro vibratório no eixo dianteiro e pneus no eixo traseiro. Além do tipo, a escolha dos rolos compactadores deve seguir critérios de manobrabilidade, flexibilidade de aplicação, emissão de ruídos e poluentes. Já na capacidade dos equipamentos, os cuidados estão no limite e equilíbrio de peso dos módulos, força centrífuga, amplitude e frequência de vibração. Durante o processo de compactação asfáltica, itens como a forma do agregado utilizado, espessura da camada de revestimento, temperatura da mistura/ligante, condições climáticas e atenção às faixas de compactação, configuram-se entre os principais pontos críticos de execução. Assim como nas outras etapas do projeto, a compactação quando feita de modo irregular, pode resultar em problemas graves, a camada pode ceder e apresentar irregularidades, crateras, trincas nas estruturas, gerando mais custos. Aplicando-se um bom planejamento, o principal fator que terá melhora é a economia, com o desperdício de material baixo ou nulo, tempo de obra e custos operacionais menores, sem correções para realizar. Equipamentos Romanelli Os Rolos Compactadores da Romanelli oferecem alto desempenho e produtividade tanto em obras de grandes rodovias como também em estradas de menor porte. Essas máquinas vêm equipadas com um sistema de dispersão de água, que evita a adesão de material no rolo. A alta força centrífuga, combinada com peso, frequência e amplitude do rolo, possibilita uma excelente compactação. Conheça os modelos MRR 1300 e MRR 1700.
Agilidade na lubrificação e abastecimento off-road

Agilidade na lubrificação e abastecimento off-road

18/09/2019 O processo de mecanização, proveniente da revolução industrial, possibilitou o aumento da qualidade dos produtos e da lucratividade das empresas, a partir do uso das máquinas. Atualmente, não existe produção em longa escala que não necessite de uma dinâmica automatizada. Com a chegada das indústrias no Brasil e junto a elas, a demanda por grandes obras de infraestrutura, inicia-se a fabricação de equipamentos em consequência do aumento dos veículos automotores e com isso, a necessidade de lubrificar e abastecer máquinas em locais de difícil acesso. Os comboios ou “melosas”, como são chamados, tem por finalidade suprir as necessidades de equipamentos off road. Seja em grandes canteiros de obras, minério ou nas lavouras, eliminam as distâncias em benefício da manutenção, pois vão até o local onde os equipamentos trabalham, para suprir a demanda rotineira de lubrificação e desempenham também a função de verdadeiras oficinas móveis para o abastecimento e a higienização das máquinas, concentrando os componentes essenciais para um serviço eficiente e ágil. Entre as possibilidades, comumente transportam itens como óleo, graxas, combustíveis, água, compressor de ar e ferramentas de manutenção. São tão essenciais quanto os equipamentos que trabalham nas obras, já que sem a devida lubrificação, a frota tem seu desempenho comprometido. Equipamentos ociosos implicam em perda de receita, desdobrada em aumento no custo e tempo do projeto. A utilização dos comboios de lubrificação no campo de trabalho é primordial para a otimização dos processos, com resultados satisfatórios nos rendimentos dos equipamentos, aumento de sua vida útil e diminuição da necessidade de manutenção corretiva. A tendência de armazenamento de combustíveis e lubrificantes a granel não aponta apenas para os canteiros de obras. As atividades do agronegócio, principalmente do setor sucroalcooleiro, refletem também no mercado de comboios, com velocidades de abastecimentos cada vez maiores. Essa evolução de tendências influência diretamente na tecnologia dos sistemas de movimentação dos implementos. Ou seja, levam as empresas fornecedoras de comboios a investirem em diferenciais e inovações de mercado, como o acionamento simultâneo de recursos, sistema de auto abastecimento otimizado, medições digitais precisas, dispositivos de abastecimento retrateis e de longo alcance, dentre outros. Equipamentos Romanelli A Romanelli representa um conceito de tecnologia que vai muito além da qualidade dos equipamentos. Envolve especificação do produto, entrega técnica e treinamento ao usuário, assistências pós-venda, além dos grandes projetos que a empresa desenvolve visando satisfazer as necessidades de cada cliente. Conheça o Comboio de Lubrificação CCR 500!
Segurança no trabalho em máquinas e equipamentos

Segurança no trabalho em máquinas e equipamentos

10/09/2019 Estudos sobre a questão acidentária no país indica que a proteção insuficiente em máquinas é causa de inúmeros acidentes, assim como a utilização de equipamentos antigos e obsoletos, o que justifica a necessidade de se ter um padrão de segurança para as atividades. Criada pelo Ministério do Trabalho e Emprego em 1978, a Norma Regulamentadora de numero 12, ou a NR 12, define as referências técnicas, princípios fundamentais e medidas de proteção para garantir a saúde e a integridade física dos trabalhadores na utilização de máquinas e equipamentos de todos os tipos. Abrange também as etapas de projeto, fabricação, comercialização e informações completas sobre todo o ciclo de vida dos produtos. Além do texto principal, com aspectos gerais, a NR 12 apresenta 12 anexos, configurando-se uma das mais extensas e importantes normas regulamentadores da Consolidação Trabalhista Nacional. Já passou por diversas atualizações à medida que o setor se desenvolvia, sendo sua ultima alteração no ano de 2018. De acordo com a norma, o maior ônus fica a cargo dos empregadores, pois entende-se que é sua responsabilidade adaptar ou substituir o maquinário que não atenda aos requisitos de segurança. Como medida, podem ser adotadas ações preventivas como manutenção periódica, treinamentos de operação e segurança, levando em consideração os limites de produtividade que devem ser respeitados. Por outro lado, cabe aos operadores o dever de considerar as normas de manuseio e segurança definidos pela empresa. A negligência às normas pode trazer prejuízos tanto materiais, como perda de produtividade, quanto físicos, por meio de acidentes de diferentes gravidades. Na indústria de pavimentação, embora não apresente especificidades sobre a linha de máquinas pesadas, a regra define quais dispositivos de segurança o fabricante precisa instalar em cada equipamento. Independente do setor e nível estrutural, a interpretação da norma de segurança para máquinas e equipamentos deve responder às necessidades de segurança dos trabalhadores, através de operações adequadas nas zonas de perigo. Equipamentos Romanelli Sempre preocupada com a questão da segurança no trabalho, a Romanelli desenvolve projetos com o olhar para o operacional. Além das inovações tecnológicas pioneiras, que fazem da marca referência no mercado, os recursos de segurança também são itens de série em seus produtos. Conheça mais sobre os equipamentos.
Segurança como valor em obras de pavimentação

Segurança como valor em obras de pavimentação

05/09/2019 A organização nos canteiros de obras é fator primordial para o melhor desempenho do trabalho, para prevenção de acidentes, diminuição de riscos e atendimento às normas regimentais de segurança no trabalho. O setor de obras em infraestrutura e pavimentação de rodovias apresenta um alto índice de acidentes, mas que mesmo assim ainda é visto com reservas, seja pela complexidade da legislação, falta de conhecimento ou ideia de que prevenção afeta o nível de produtividade. Já foi abordado em publicações anteriores a respeito do planejamento como papel crítico nos resultados de qualquer tipo de projeto. No âmbito da segurança do trabalho não podia ser diferente, tornando-se a melhor solução para diminuir os impactos nos canteiros de obras. Entre os cuidados necessários em segurança, a seguir destaca-se algumas dicas: - Capacitação dos operadores em relação ao trânsito no entorno, para que efetuem a sinalização adequada, visando não só a segurança dos colegas de trabalho, mas também dos passageiros dos veículos no trânsito remanescente; - Uso adequado dos uniformes e equipamentos de proteção individual; - Nos equipamentos de construção e pavimentação devem ser respeitadas as funcionalidades de fábrica, programação de capacidade e não devem ser utilizados como meio de transporte para outros trabalhadores; - Evitar o uso de celulares e outros mecanismos de distração. O trabalho no enraizamento de uma cultura de prevenção deve ser constante, mostrando ao setor que é possível antever riscos e melhorar procedimentos com vistas a conquistar canteiros mais seguros e trabalhadores mais saudáveis. Equipamentos Romanelli Segurança também é um valor institucional da Romanelli, abrangendo pessoas, equipamentos, local de trabalho, uniformes e acessórios de proteção. Com isso, além de oferecer produtos com os mais avançados recursos de segurança, a Romanelli orienta os clientes e usuários de seus equipamentos com os cuidados a serem considerados na busca de um ambiente de trabalho mais seguro. Conheça nossa linha de produtos.
Estande da Romanelli é sucesso na Paving Expo 2019

Estande da Romanelli é sucesso na Paving Expo 2019

30/08/2019 A Paving Expo 2019 superou as expectativas em termos de negócios, público qualificado, networking e disseminação do conhecimento. O evento foi realizado em São Paulo, entre os dias 27 e 29 de agosto e contou com a participação de diversas empresas e especialistas de infraestrutura. Logo na abertura, com a presença de diversas autoridades ligadas à área e num clima de confiança da retomada efetiva do segmento, o diretor geral da organizadora do evento, Guilherme Ramos, contou sobre como a Paving Expo foi idealiza e suas expectativas. “Nosso objetivo é apresentar algo inovador, no qual o mercado tenha oportunidade de conhecer as principais tecnologias e tendências para infraestrutura viária e rodoviária, de adquirir conhecimentos técnicos e de realizar negócios”, disse. Sobre o setor, José Carlos Romanelli, diretor da Romanelli, ressaltou que estão ocorrendo obras de manutenção, usando tecnologia e que o poder público está se preparando para lançar novas obras em 2020. “Realmente, este ano está melhor que 2018. Estamos vendo uma sequência mais constante de negócios. Mas, a expectativa está no próximo ano”, disse. A participação da Romanelli foi um sucesso. Além de levar para exposição toda a tecnologia e inovação dos equipamentos da marca, foram viabilizadas várias oportunidades comerciais. A empresa apresentou na Paving Expo a terceira geração de secador de solo, além de um novo espargidor automatizado e um equipamento versátil na restauração de trincas. “Os visitantes estão interessados em tecnologia e em produtividade. Por isso, a feira foi promovida no momento certo, com um público altamente qualificado”, conclui o diretor da Romanelli. Confira algumas fotos do evento! Clique aqui.
Asfalto borracha na pavimentação de rodovias

Asfalto borracha na pavimentação de rodovias

28/08/2019 Não é novidade que o modal rodoviário seja um dos mais utilizados nos processos logísticos de escoamento de produção e circulação de pessoas. Como também não são novos os problemas enfrentados nesse tipo de transporte, principalmente no que diz respeito ao estado de conservação das rodovias. No Brasil, esse cenário é ainda mais alarmante. Segundo dados apontados no último relatório situacional, elaborado pela Confederação Nacional de Transportes – CNT, apenas 13% das rodovias federais são pavimentadas e dessas, mais de 50% possuem algum tipo de deficiência. Frente a isso, cada vez mais as empresas do setor têm investido em pesquisas de novas composições de materiais e equipamentos para suprir essa demanda, desenvolvendo técnicas que aumente o tempo de vida útil das malhas rodoviárias e consequentemente os custos de manutenção. A técnica de aplicação com a utilização de asfalto-borracha não é nova, mas tem ganhado cada vez mais espaço no mercado do setor devido os benefícios apresentados. O material é caracterizado por mistura do ligante com borracha triturada de pneus e compactada a quente. Quanto maior o teor de borracha aplicado, mais eficiente o pavimento, especialmente no quesito durabilidade. Na pavimentação de 1 km de rodovias com asfalto-borracha, a reutilização pode variar entre 600 a 1000 pneus. Se as vantagens para o meio ambiente, em decorrência da reciclagem de pneus, já são atraentes, os ganhos financeiros também viabilizam pela redução dos custos de conservação, com ganho de resistência ao envelhecimento, rachaduras e possíveis buracos nas vias. Os números ainda são incertos, mas pesquisadores chegam a dizer que, em geral, o pavimento de asfalto-borracha é cerca de 40% mais resistente do que o convencional. Em contraponto, é mais caro, justificando assim o índice tímido de utilização. No Brasil, um pouco mais 8 mil km de estradas são pavimentados com asfalto-borracha, enquanto que nos EUA já passa de 70% do total de vias. Equipamentos Romanelli A Romanelli é uma empresa pioneira que desenvolve soluções em pavimentação asfáltica com os mais modernos recursos tecnológicos para atender da melhor e mais qualificada maneira as necessidades do mercado, bem como as especificidades de cada cliente. Para saber mais sobre os produtos da marca, inclusive os que atendem a aplicação com asfalto-borracha, entre em contato e obtenha mais informações.
A viabilidade da estabilização de solos com cimento

A viabilidade da estabilização de solos com cimento

07/08/2019 O solo é um componente crítico para o bom resultado de uma obra de pavimentação, mas que, em seu estado bruto, nem sempre apresenta as propriedades e características adequadas para suportar o impacto proveniente do tráfego e do clima. Dessa forma, se faz necessária sua correção para que sejam atendidos os requisitos do projeto. Esse método de modificação dos solos disponíveis é conhecido nos canteiros de obras rodoviários como estabilização de solos e consiste na interferência mecânica ou química, tornando-o estável para a utilização. Para tanto, os limites de adequação devem atender critérios de viabilidade técnica e econômica. Dentre as diferentes técnicas existentes, é na estabilização química que estão inseridas as misturas de solo-cimento e que apresentam resultados significativos que viabilizam, seja pelo ponto de vista prático ou econômico, sua escolha. A saber: - Acréscimo da resistência à compressão; - Ganhos de durabilidade, mesmo em condições climáticas severas; - Redução do consumo de materiais, principalmente agregados; - Custos reduzidos de manutenção. Portanto, o cimento pode ser utilizado no tratamento de solos, em vários tipos e quantidades, gerando vantagens por meio de camadas de base que atendam as normatizações determinadas. Equipamentos Romanelli A Romanelli tem tradição em tecnologia. Sempre entregando confiabilidade e as melhores soluções no setor de pavimentação. Com o Distribuidor de Cimento DCR 20 E-FLOW, equipamento utilizado para estabilização de solo por meio da aplicação de cimento e cal, oferecemos o primeiro equipamento automatizado do Brasil, garantindo 100% de eficiência na distribuição do material aplicado. Conheça o DCR 20 E-FLOW.
Sistema E-FLOW: tecnologia e produtividade

Sistema E-FLOW: tecnologia e produtividade

29/07/2019 A linha de equipamentos rodoviários faz parte de um segmento industrial que tem se fortalecido diante do crescimento dos setores da construção civil, pavimentação, agrícola, mineração, dentre outros. A cada dia que passa as empresas estão desenvolvendo equipamentos computadorizados que, alinhados com tecnologias de ponta, proporcionam confiabilidade e economia em seus projetos. As empresas produtoras de máquinas para pavimentação perceberam a necessidade de investir em soluções que otimizem os processos de execução das obras e diminuam consideravelmente os custos com matéria-prima, mão-de-obra e tempo. A Romanelli trouxe para seus equipamentos a opção do que se conhece por “inteligência artificial”, por meio de um processador capaz de reproduzir as capacidades do cérebro como percepção, ação e interação: o Sistema E-FLOW. Em outras palavras, criou uma espécie de “máquina inteligente”. O E-FLOW, como é conhecido no mercado, é um recurso especializado. Seu sistema é um poderoso computador desenvolvido para atender obras que necessitam de uniformidade, rapidez e precisão do começo ao fim. Com seu processador IHM, são oferecidos controles de última geração e um potente conjunto de ferramentas para melhorar a produtividade, precisão, qualidade e a segurança nos canteiros de obras rodoviárias, auxiliando o operador de máquinas a gerar mais resultados com alta performance, reduzindo tempo, esforço e material. A linha de produtos com Sistema E-FLOW da Romanelli oferece o que há de mais moderno e prático no quesito operação, pois compensa a velocidade e o volume aplicado através do IHM. Todos os equipamentos possuem ganhos reais em produtividade frente as operações tradicionais. Muito fácil de operar e intuitivo, não depende de operador especializado. Somente informando ao IHM os dados da quantidade de material a ser aplicada, o sistema E-FLOW corrige, em fração de milésimos de segundo, todos os sistemas da máquina, adequando o fluxo da vazão à velocidade do caminhão. Essa tecnologia evita desperdício de material ligante e que o motorista esteja controlando RPM do caminhão, ou seja, é a certeza de que a taxa imputada no sistema é o volume que sai na aplicação. É a inovação que o setor da pavimentação estava esperando para não depender de sistemas manuais de controle. Desta maneira, a Romanelli mais uma vez está adiante no mercado, pois além da qualidade já tradicional de seus produtos, oferece a opção total de controle e precisão. A empresa, pioneira em inovações tecnológicas, investe pesado em pesquisa trazendo em seus valores a qualificação necessária para os projetos de infraestrutura viária e rodoviária. Confira alguns destaques da fabricante: - Os modelos de espargidores de asfalto EHR 800 E-FLOW, 700 E-FLOW e 600 E-FLOW, possuem ganhos médios de 15% na aplicação. O que significa retorno rápido do investimento, uma vez que os custos com material betuminoso em obras de pavimentação asfáltica podem chegar até 70% do valor total. - Com o controle total de dentro da cabine do caminhão, o espargidor EHR 800 E--FLOW além de dispensar o conhecimento especializado na operacionalização, também agrega economia de mão-de-obra sem a necessidade de operador na parte traseira do caminhão. - Presente nos equipamentos espargidores e multidistribuidores de agredados, o novo sistema de barra espargidora possuí seleção parcial dos bicos possibilitando diversas configurações. A aplicação é ainda mais otimizada com o maior controle de regulagem da barra por meio da adequação da altura e ângulo. - Os multidistribuidores MDR 7/9 E-FLOW e MDR 12/15 E-FLOW, possuem distribuição de agregados por caçamba basculante e plataforma distribuidora. Já no MDR 20 E-FLOW, se dá através de esteiras transportadoras e caixas de distribuição com comportas de abertura independente. - A produtividade está nas usinas UHR 900 E-FLOW e 700 E-FLOW, que possuem autonomia de até 1.100 metros lineares por carga. Também como inovação, a nova mesa acabadora conta com controle de operação por joystick, mecanismos para estabilização e correção de irregularidades do pavimento.
Como é o planejamento em obras de pavimentação?

Como é o planejamento em obras de pavimentação?

10/07/2019 Qualquer projeto grande exige uma boa preparação devido ao seu alto nível de complexidade. Em obras de pavimentação asfáltica não é diferente e, para o sucesso da obra, algumas etapas devem ser cumpridas. A pavimentação de vias decorre de uma necessidade básica: a movimentação de pessoas e veículos. Identificada a demanda, os responsáveis passam a planejar e buscar possibilidades que possam transformar o projeto em realidade. Quando se trata do setor público, nesse período normalmente ocorrem as licitações que envolvem diversas variáveis: custos de construção ou manutenção, capacidade de produção, estruturas, prazos, equipamentos necessários, entre outros fatores. Outro fator importante refere-se às questões de licenciamento e regulamentação da obra, com a liberação das entidades competentes, na intenção de extinguir ou pelo menos mitigar os impactos socioambientais. A responsabilidade por essa adequação, ou seja, para que a obra ocorra dentro das diretrizes legais impostas, está aos cuidados da supervisão técnica, que articula dentro de cada especialidade. Um ponto crítico é a comunicação entre as partes envolvidas, também chamada de stakeholders. A diminuição de ruídos nessa etapa garante a otimização de recursos e evita o desencontro de informações. O preenchimento constante de relatórios é essencial na execução do projeto como mecanismo de verificação do cronograma. Por meio deles é possível realizar adequado controle dos prazos e se o orçamento está sendo cumprido. Por fim, pode-se concluir que a efetividade de uma obra de pavimentação está relacionada à três fatores: escolha do material certo, equipamento adequado e conhecido técnico do gestor. Essa tríade é a base de um bom projeto. Todos os cuidados citados, objetivam melhorar a qualidade nas obras e consequentemente dos pavimentos asfálticos. A não consideração das variáveis aumentará o risco e curvas nas especificações do projeto original. É importante ter em mente que o controle preciso, com enfoque em qualidade, é sempre mais viável e menos custoso do que o retrabalho. Equipamentos Romanelli A Romanelli tem máquinas que, além de facilitar a construção e manutenção de vias, também ajudam a evitar erros de operação e consequentes problemas encontrados. Conheça nossos produtos
MDR-9 é operacionalizado em demonstração pública

MDR-9 é operacionalizado em demonstração pública

28/06/2019 Prefeitos, vereadores, deputados e profissionais da área de pavimentação se reuniram nesta sexta-feira (28), na sede do Instituto Agronômico do Paraná – IAPAR de Londrina, para apresentação técnica de pavimentação asfáltica, com enfoque em micropavimento. A demonstração aconteceu em comemoração aos 06 anos do Consórcio Público Intermunicipal de Inovação e Desenvolvimento do Estado do Paraná – CINDEPAR, com a utilização de um dos equipamentos da Romanelli, o Multi Distribuidor de Agregado MDR-9, máquina de otimização do processo de distribuição de agregado e emulsão no revestimento asfáltico em tratamento superficial. A aplicação de revestimento asfáltico em pavimentação com o MDR-9, dupla ou tripla, tem se mostrado a melhor alternativa em relação às outras técnicas de revestimento por ser um método mais rápido e mais barato, sendo que no processo habitual são utilizados dois equipamentos, um para distribuir o agregado e outro para espargir a emulsão asfáltica, o que carreta em perdas de produtividade, tempo e em custos elevados. Na ocasião também foi entregue ao Consórcio, por mão das autoridades locais, mais um equipamento com padrão de qualidade Romanelli, o Tanque Pipa CPR-300, de 12.000 litros.
Confiabilidade e produtividade são nossos valores

Confiabilidade e produtividade são nossos valores

25/06/2019 Empresas que trabalham com projetos na área de pavimentação asfáltica sabem da importância de contar com a máxima capacidade de suas máquinas. Equipamentos parados além de gerar custos, influenciam negativamente nos resultados finais e prazos de entrega. Os Serviços de Suporte ao Cliente da Romanelli foram criados pensando na manutenção adequada para que seus clientes possam planejar suas operações e controlar custos, contando com o atendimento de especialistas para garantir a máxima produtividade dos equipamentos. Não há dúvidas quanto ao desempenho dos equipamentos Romanelli. Na verdade, a propriedade bem-sucedida e rentável das máquinas vem garantida de fábrica em suas funcionalidades, mas mesmo um produto realmente confiável e de alta performance, precisa de manutenção. E você pode economizar em tempo e dinheiro realizando a manutenção com peças genuínas Romanelli. Por meio da manutenção preventiva pode-se verificar o funcionamento das máquinas e dar pareceres sobre como usar a função ideal que corresponda a determinada carga de trabalho, o consumo e a despesa de combustível, verificação de óleos e filtros, coisas que realmente são críticas, que podem evoluir e resultar em problemas maiores. Essa é o conceito, fazer reparos pequenos e preventivos em vez de esperar para ver o que acontece sem o devido acompanhamento. Quer saber mais? Entre em contato e solicite um orçamento .
Apontamentos para compreensão do sistema de secagem de solo e terraplanagem

Apontamentos para compreensão do sistema de secagem de solo e terraplanagem

19/06/2019 Uma das dificuldades existentes na terraplanagem é a questão da umidade do solo, que demanda muito tempo para correção, gerando despesas consideravelmente altas. Além disso, outro agravante refere-se às influências das condições climáticas. Existem vários meios adotados no processo de desumidificação do solo, seja em obras rodoviárias, urbanas, industriais ou rurais. O procedimento mais comum, de amplo conhecimento entre os profissionais de infraestrutura, é a técnica chamada de aeração do solo, realizado por meio de grades rebocadas, mas que depende diretamente das condições de vento e sol no dia. Devido a essa dependência climática, pode ser tornar um procedimento demorado e oneroso, com paralisação em dias chuvosos e pós-chuva. Outra medida para desumidificar o solo consiste na aplicação de cal ou cimento em proporções adequadas, porém tem baixa efetividade e dependendo da área de aplicação, também pode se tornar bastante custosa. Há quem considere ainda a possibilidade de movimentação do solo úmido, seja para secagem em outras área ou simplesmente descarte e substituição por outro mais seco. Porém, envolve uma estrutura logística muito cara e inviável. Equipamentos Romanelli Uma excelente solução é a moderna técnica de utilização de equipamentos secadores. A Romanelli, com um revolucionário sistema de secagem de solos, apresenta o secador rebocável de solos, o único equipamento do mercado, com eficiência garantida e que reduz o tempo do processo em até 5 vezes. Conheça o produto.
Quais são os principais problemas encontrados nos pavimentos rodoviários?

Quais são os principais problemas encontrados nos pavimentos rodoviários?

10/06/2019 O bom desempenho das atividades econômicas depende dos adequados dimensionamentos e o estado de conservação das infraestruturas de transporte, considerando todos os modelos existentes. O modal rodoviário em particular caracteriza-se pela sua flexibilidade e capacidade de integração com os demais sistemas logísticos. No Brasil, essa modalidade destaca-se por sua significativa participação no sistema de escoamento de cargas, sendo responsável por mais de 60% da distribuição de mercadorias e por 95% da de passageiros, configurando assim um importante mecanismo de integração social. Esse cenário pode ser facilmente estendido por toda a América Latina. Segundo pesquisa realizada em 2018 pela CNT - Confederação Nacional de Transportes, sobre as condições atuais da malha rodoviária nacional, mais de 50% das rodovias brasileiras possuem algum tipo de deficiência. Dentre eles, os principais: • Fissuras: que nada mais são do que fendas no revestimento asfáltico, causadas por erros na dosagem de materiais ou compactação inadequada; • Trincas: além dos defeitos no revestimento, envolve problemas na estrutura dos pavimentos, causadas principalmente por contração e endurecimento do asfalto, má execução das obras e envelhecimento do pavimento; • Afundamento: deformação plástica na superfície do pavimento, causada por falha na dosagem da mistura asfáltica, problemas de drenagem e falhas na compactação; • Exsudação: camada de material betuminoso que aparece na superfície do pavimento criando um brilho vítreo, causado pela excessiva quantidade material ligante e baixo conteúdo de vazios; • Buracos: também chamado de panelas, são cavidades no revestimento do pavimento, causado por mau dimensionamento da obra, deficiência na compactação e falha na imprimação. A Pesquisa CNT de Rodovias percorreu e avaliou toda a malha rodoviária federal pavimentada e os principais trechos estaduais também pavimentados, totalizando assim 107.161 km de rodovias avaliadas em todo o país. Estima-se que a panorama geral seja ainda pior, considerando que apenas 13% das rodovias sejam pavimentadas e que sua maioria estão em mãos dos governos estaduais e municipais. Equipamentos Romanelli A Romanelli tem máquinas que, além de facilitar a manutenção dessas rodovias, também ajudam a evitar erros de operação e consequentes problemas encontrados nas estradas. Conheça nossos produtos.
Coordenador comercial da Romanelli profere palestra na UFBA

Coordenador comercial da Romanelli profere palestra na UFBA

31/05/2019 Na última sexta-feira (24), a Romanelli, por intermédio de seu Coordenador Comercial Thiago Romanelli, proferiu palestra sobre setor de infraestrutura e pavimentação asfáltica. O discurso foi realizado no auditório da UFBA - Universidade Federal da Bahia e fez parte da programação de atividades da empresa junto a sociedade. A palestra teve como objetivo trazer informações sobre a escolha dos equipamentos adequados ao ritmo de produção e às características de cada projeto, como os principais fatores de sucesso em obras de pavimentação. Na oportunidade também foram apresentadas toda a tecnologia Romanelli com enfoque em micro pavimentação. Atendendo ao convite de um dos distribuidores comerciais da Romanelli, a CRG Equipamentos, o evento contou com a presença dos estudantes do Curso de Engenharia da universidade e de empreiteiros locais. “Tivemos a oportunidade de divulgar nossa marca junto a esses grandes profissionais e especialistas que influenciam os rumos da pavimentação na região”, concluiu Thiago.
Entrega de Kit Tapa Buraco na Colômbia

Entrega de Kit Tapa Buraco na Colômbia

08/05/2019 A Romanelli vem expandindo cada vez mais sua atuação no mercado internacional de construção e manutenção asfáltica, fornecendo equipamentos que reúnem não só os mais modernos recursos de tecnologia, mas funções que garantem excelente desempenho, e principalmente, o melhor rendimento. Nesta semana, no dia 29 de abril, a Colômbia recebeu um novo Kit Tapa Buraco TBR 500, entregue por um dos representantes comerciais da Romanelli, a IMAAC. O TBR 500 é um equipamento versátil e de fácil utilização. Sua vasta gama de acessórios proporcionam um melhor aproveitamento das funções em um mesmo produto. Com baixo custo operacional e de mão-de-obra na manutenção de rodovias e vias públicas, e a grande vantagem consiste em ser um equipamento multifunções que ocupa um menor espaço no local de trabalho. Por meio de uma equipe altamente capacitada, a entrega técnica da Romanelli aconteceu na cidade de Bogotá. Na ocasião, foram realizados a montagem do equipamento e treinamento prático sobre as funcionalidades do equipamento. E falando em TBR 500, aproveite para saber mais e solicite seu orçamento!
Expansão da Romanelli

Expansão da Romanelli

04/02/2012 Investir em pesquisa, desenvolvimento e tecnologia de ponta faz parte da missão e dos valores da Romanelli para produzir equipamentos cada vez mais funcionais e eficientes. Com a demanda do mercado, a empresa aposta na expansão da capacidade produtiva, lançamento de novas máquinas e na infraestrutura interna. O investimento na ampliação interna começou em 2011 e continuará durante este ano de 2012. No parque fabril, em 2011, houve a ampliação da estrutura e o alargamento da Cabine de Pintura e dos barracões. O escritório, direcionado à exportação e à importação de equipamentos e materiais, também ganhará mais espaço visando à melhora do fluxo da demanda nacional e internacional. Além de novos lançamentos, a Romanelli firmou parcerias para esse ano com empresas da China e dos Estados Unidos, buscando trazer as novas tecnologias e inovações para o mercado brasileiro. Dessa forma, serão gerados equipamentos mais competitivos e modernos, capazes de suprir novas áreas de atuação do mesmo segmento.
Romanelli aposta na criação de novos equipamentos

Romanelli aposta na criação de novos equipamentos

04/02/2012 O fator que torna os produtos da Romanelli sinônimo de desempenho, economia e confiabilidade é o grande investimento em novas soluções para a inovação de peças e equipamentos. A linha completa é destinada à pavimentação asfáltica, composta por espargidores, multi distribuidores de agregado, usinas, mini máquinas, tanques entre outros. A Romanelli é referência do setor de infraestrutura viária e rodoviária, afinal, são produtos com tecnologia de ponta, excelência no desempenho e durabilidade. O exemplo pode ser conferido no mais novo lançamento da Romanelli, o Comboio CCR 500, cujo design inovador conta com fechos moldados em chaparia de alta resistência. A máquina também agrega divisórias internas para diversos tipos de equipamentos como tanques, enroladeiras de mangueiras automáticas, medidores de vazão eletrônicos e analógicos, além de armários para ferramentas. A estrutura do Comboio CCR 500 é composta por uma plataforma metálica, construída em perfis dobrados de aço carbono. O equipamento possui bacia de contenção que evita possíveis vazamentos de óleo ou lubrificantes, impedindo a contaminação do meio ambiente conforme o ISO 14.001. O CCR 500 é um equipamento completo que une tecnologia inovadora à praticidade. Essas são algumas das características que fazem da Romanelli empresa referência na produção de equipamentos para pavimentação asfáltica na América Latina e no mundo.
Conhecimento, informação e novas técnicas foram assuntos de destaque no segundo dia de evento

Conhecimento, informação e novas técnicas foram assuntos de destaque no segundo dia de evento

11/01/2012 O segundo dia de Convenção, dia 18, teve caráter mais técnico. Ainda no período da manhã, os representantes visitaram as instalações da empresa ETA Engenharia, que é comandada pelo engenheiro e diretor técnico Marcelo Romanelli. Os participantes puderam acompanhar de perto o funcionamento dos maquinários e equipamentos da ETA. Ao regressarem à Romanelli, o diretor industrial, Ilson Romanelli, fez explanação dos equipamentos aos representantes, além de informar como procede a aplicação de toda a linha de produtos Romanelli. Os participantes puderam tirar dúvidas em relação ao funcionamento do maquinário. Durante a tarde, o engenheiro Carlos Amaro falou sobre o equipamento CCR 500 Ecológico, o Comboio de Abastecimento e Lubrificação. No final do dia, os representantes puderam conferir alguns equipamentos da empresa funcionando em campo. Houve a restauração do asfalto na entrada da Romanelli, onde apresentaram máquinas das empresas parceiras da Romanelli. Os representantes aproveitaram o momento para tirar dúvidas e questões sobre os equipamentos.
Dnit licitará 30 mil km de rodovias até o fim do ano

Dnit licitará 30 mil km de rodovias até o fim do ano

Publicado em 21 Agosto de 2012 Ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, quer repetir execução orçamentária de 2010 após reestruturação do órgão; obras estão paradas desde escândalos de superfaturamento, em 2011. Após finalizar um pacote de concessões de estradas e ferrovias à iniciativa privada, anunciado na semana passada, o governo vai reativar as licitações do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), paradas desde os escândalos de superfaturamento de obras, em 2011. O Ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, disse ao Brasil Econômico que o órgão está preparado para licitar, neste segundo semestre, obras em 30 mil quilômetros de rodovias federais. "Vamos licitar uma grande parte de projetos", diz. Um dos exemplos está na duplicação da BR-470, em Santa Catarina, entre as cidades de Navegantes e Indaial, na qual estão previstas as construções de túneis e ponte. Nesta mesma escala, estão também previstas construções em diferentes outros trechos: BR-280, também em Santa Catarina, BR-364, no Mato Grosso e BR-381, em Minas Gerais. "Todos serão projetos pesados em termos de construção", afirma Passos sem citar o montante de investimentos envolvidos. E o processo de destravamento do Dnit começa hoje. Passos deverá assinar ordem de serviço para a reforma de trechos da BR-116 - entre Eldorado do Sul e Pelotas, no Rio Grande do Sul, que somarão R$ 1,2 bilhão. O Ministro garante que até o final do ano repetirá a execução orçamentária de 2010, no valor de R$ 11 bilhões, antes da descoberta dos escândalos de superfaturamento de obras no órgão que custaram o cargo do seu antecessor, o senador Alfredo Nascimento (PR-AM). Passos afirma que tem se reunido frequentemente com a Ministra do Planejamento, Miriam Belchior, como parte de uma ação de monitoramento de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A ação coordenada foi feita para ajudar na revisão de uma série de projetos suspensos desde o ano passado após a identificação de falhas. Ainda assim, ele nega que se trate de algo inerente as atividades normais dos dois Ministérios. "Nós nos reunimos periodicamente, muito mais do que vocês podem supor, e no caso do Dnit a exigência é maior porque estamos falando de 1,9 mil contratos de obras", conta. Segundo Passos, a maioria dos projetos do chamado Crema - programa de restauração e manutenção de rodovias que consiste em obras de tapa buraco e sinalização - também já começa a sair do papel. "Da segunda etapa do Crema já estamos com 7,8 mil quilômetros de licitações publicadas e outros 9 mil que correspondem a segunda etapa do programa." Todos os projetos tiveram que passar por revisões desde 2011. Paralisia Conforme publicou o Brasil Econômico, o Dnit executou apenas cerca de 8% do orçamento previsto para o ano, mas Passos nega que o órgão tenha ficado parado. Segundo ele, o departamento fez uma série de execuções orçamentárias para os chamados "restos a pagar" que também cumprem o papel de remunerar projetos ainda em andamento. "No último mês o Dnit pagou quase R$ 1 bilhão", afirma. O ministro sinaliza que a fase de reestruturação do órgão já passou e descarta teses que atribuem o pacote de concessão lançado pelo governo Dilma Rousseff como uma tentativa de esvaziar o Dnit. "A malha que o órgão toma conta diminuirá em 7,5 mil quilômetros, o que por outro lado dará folga ao orçamento do governo para investimentos nas estradas de outras regiões." Fonte: Brasil Econômico
O sucesso da Convenção 2012 Romanelli

O sucesso da Convenção 2012 Romanelli

Entre os dias 17 e 19 de Outubro aconteceu a Convenção Romanelli, que contou com a presença de 40 participantes entre representantes, palestrantes e colaboradores da Romanelli, em Cambé, no norte paranaense. A solenidade de abertura, no dia 17, foi feita pelos diretores das áreas comercial e industrial, respectivamente, José Carlos Romanelli e Ilson Romanelli, que saudaram os representantes e ressaltaram a importância das representações para a empresa. “É com muita satisfação que recebemos vocês para a Convenção 2012 Romanelli. Nestes dias de palestras vamos abordar conteúdos importantes para que vocês possam utilizar e esclarecer as dúvidas dos clientes”, afirmou José Carlos Romanelli. O know how de 50 anos e a solidez da empresa Romanelli também foram assuntos de destaque na abertura. Os representantes puderam conferir um vídeo institucional que fez um resumo da história, assuntos atuais e futuros projetos da empresa. Após as apresentações, os participantes puderam conferir uma breve palestra motivacional da coach e psicóloga Gislene Isquierdo. Na ocasião, os participantes puderam conferir quais são os critérios que devem adotar para ter sucesso nas vendas. Em seguida, houve uma visita ao parque fabril, na qual os representantes conheceram os barracões e toda infraestrutura, matéria-prima e tecnologia utilizada na produção dos equipamentos. No período da tarde, o engenheiro civil e vice-presidente do Instituto Pavimentar, Armando Morilha Junior, falou sobre as tecnologias de pavimentação proporcionadas pelos equipamentos da Romanelli. De acordo com Morilha Jr, “o conhecimento das técnicas de pavimentação é uma ferramenta muito importante para criar oportunidades comerciais a partir de sua aplicação”. Durante sua explanação, foram apresentadas tecnologias de pavimentação com seus conceitos, insumos utilizados e aplicabilidade. Também foram expostas ideias e perfis de clientes passíveis de serem atendidos com os equipamentos e serviços da Romanelli.
Kit Tapa Buraco entregue para a prefeitura de Londrina

Kit Tapa Buraco entregue para a prefeitura de Londrina

O prefeito Alexandre Kireeff entregou nesta segunda-feira (23) nove máquinas às secretarias de Obras e Pavimentação e de Agricultura e Abastecimento. Os recursos, provenientes do programa estadual Paranacidade, totalizam investimentos de R$ 1.894.700,00. Foram entregues três retroescavadeiras, dois caminhões caçamba, dois caminhões comboio 4X2, um caminhão plataforma 4X2 e um caminhão plataforma 8X2. Oito máquinas irão para a Secretaria de Obras e Pavimentação e um caminhão comboio 4X2 será repassado para a Secretaria de Agricultura e Abastecimento. O prefeito destacou que a entrega do maquinário às secretarias faz parte da estruturação das mesmas. \\\"É muito difícil percebermos a dificuldade da população e não termos os meios para atender. Então aos poucos estamos nos estruturando para poder não apenas atender, de forma paliativa, mas também de forma preventiva. Garantimos investimentos, tanto na zona urbana quanto na zona rural\\\", ressaltou. O secretário municipal de Obras e Pavimentação, Walmir Matos, disse que o prefeito tem tido a visão de sanar as deficiências da secretaria. \\\"Isso contribui para que tenhamos condições ideais para enfrentarmos os desafios. Sinto-me confortável porque estamos entrando numa agenda muito positiva\\\", destacou. O secretário ressaltou, também, o apoio dado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano do Paraná(SEDU) em Londrina. O secretário de Agricultura e Abastecimento, Vitor dos Santos Junior, e vereadores como o líder do governo no legislativo, Junior Santos Rosa, e o presidente da Câmara, Fábio Testa, estiveram presentes na solenidade. O coordenador do Paranacidade em Londrina, Ricardo Amaral, também esteve presente. Balanço - No dia 29 de janeiro, o prefeito já havia entregue outros nove equipamentos, dos quais sete foram repassados à Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação e dois para a Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento. O maquinário é composto por três motoescavadeiras, quatro pás-carregadeiras, uma escavadeira hidráulica e um rolo compactador. Com isso, o Município totaliza a entrega de 18 das 28 máquinas previstas. Mais equipamentos rodoviários serão entregues até o final de março, perfazendo um investimento total de R$ 7.860.000,00. Fonte: O Bonde
TBR-500 5M³ entregue na Cidade de La Paz

TBR-500 5M³ entregue na Cidade de La Paz

Foi entregue nosso TBR-500 5M³ para o Prefeito da Cidade de La Paz Bolívia que contou com toda a imprensa nacional Boliviana para o evento. (Gobierno Autónomo de La Municipalidad de La Paz).